segunda-feira, 29 de agosto de 2011

armando bacelar e a biblioteca municipal

na semana passada andei pela torre do tombo a consultar os processos-crime de armando bacelar perante a pide/dgs. ainda consegui consultar e analisar o processo com o n.º 87/47, o qual corresponde à sua primeira prisão: detido em 11 de abril de 1947, foi solto em 18 de junho, segundo termo de liberdade condicional. foi acusado, então, de actividades subversivas contra a segurança do estado, e, segundo a informação então prestada pelo investigador, "como elemento de relevo e dirigente da organização secreta subversiva "partido comunista português", destacando-se especialmente essas actividades - que naquela organização secreta são designadas por "trabalhos legais" - nas comissões do chamado "movimento de unidade democrática", que orienta e dirige, como representante da citada organização comunista". este processo é composto por trinta e três documentos, com dados curiosos para uma biografia exaustiva política de armando bacelar. ainda consultei o seu cadastro biográfico elaborado pela pide em 1 de abril de 1961 e, não sem surpresa, o processo de 5 de fevereiro de 1945, o qual diz respeito à candidatura de bacelar para bibliotecário. este processo consta de uma folha, e a pide solicitava ao então presidente da câmara municipal de vila nova de famalicão, álvaro folhadela marques, informação sobre o candidato, o qual diz o seguinte: "o indivíduo a que se refere o presente boletim é geralmente considerado como partidário de ideias avançadas, tanto políticas, económicas e religiosas." tem a data de 12 de fevereiro de 1945. contém outra informação cujo teor é o seguinte: "é elemento desafecto ao estado novo, ofício confidencial n.º 1950/945", com a data de 12 de junho de 1945, e a manuscrito podemos ler: "oposição". com tais informações, claro, o lugar de bibliotecário ficou fora de hipótese, apesar de ter sido admitido a concurso "para provimento do lugar de bibliotecário da biblioteca nacional de vila nova de famalicão". este concurso, na época, causou alguma polémica, antes e depois da nomeação da pessoa escolhida. a seu tempo faremos aqui um pouco da sua história.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

famalicão 1944

o ano de 1944 é marcado, no plano nacional e internacional, pelo falecimento de bernardino machado. deputado pelo partido regenerador (1882), par do reino (1890) e ministro das obras públicas, comércio e indústria (1893) no governo de hintze ribeiro, no qual, ele e augusto fuschini eram considerados os vermelhos, maçónico, professor em coimbra e introdutor da antropologia em portugal, desiludido com a monarquia, o pedagogo eminente português que representava portugal nos mais variados congressos pedagógicos europeus, nomeadamente madrid, paris ou londres, não participando neste último, adere ao partido republicano em 1903. com um pensamento político coerente contra as ditaduras e a favor das liberdades de opinião, assim como de todas as formas de sociabilidade pública, bernardino machado veio a ser com a implantação da república em portugal ministro dos negócios estrangeiros e o seu porta-voz, embaixador de portugal no rio de janeiro (seria com ele que as legações do rio e em lisboa seriam transformadas em embaixadas), primeiro-ministro em 1914 e 1921, presidente da república entre 1915 a 1917 e em 1925-1926, duas vezes exilado porque deposto por dois golpes militares, o primeiro viria a dar origem ao sidonismo, esses espadachins zoomórficos, na sua grata expressão, e o segundo ao estado novo, bernardino machado foi um lutador incansável a favor da liberdade e da plena cidadania. fica o seu pensamento e a sua obra para serem estudadas, as quais estão a cargo do museu bernardino machado (fruto de várias doações oriundas de familiares, nomeadamente, por exemplo, de dois netos, caso de júlio machado vaz ou de manuel sá marques), em vila nova de famalicão, e da câmara municipal da mesma localidade. para além da exposição permanente e das temporárias (estas temáticas), das actividades pedagógicas, dos encontros anuais de outono e dos ciclos de conferências, têm sido publicadas as suas obras, nomeadamente a ciência, a pedagogia (III tomos) e a política (I Tomo), estando a caminho o II Tomo, compreendendo os anos de 1908 a 1910. no plano da comunidade famalicense, o destaque vai para vasco de carvalho, que começa a publicar os seus aspectos de vila nova, cujo primeiro livro é dedicado ao "hospital s. joão de deus". a receita da venda deste livro, que veio a substituir o então "cortejo das oferendas", foi para o mesmo hospital, com a quantia final de 30$000. por seu turno, agostinho da silva continuava a imprimir os seus livros na tipografia minerva, tal como é o caso do título "conversação com diotima", a "parábola da mulher de loth" ou "apólogo de pródigo de ceos", entre outros. no campo da imprensa, o jornal famalicense "estrela do minho" comemora os seus cinquenta anos de existência, sendo, precisamente a década de quarenta e a de cinquenta um dos períodos mais ricos no panorama cultural e literário. neste caso, no ano em foco, publica mais um suplemento literário, após o termo do"para as raparigas", e que se chama "esta página", publicando, igualmente, a coluna denominada "projecções", de oliveira bente, de fortes incidências neo-realistas. dedica um número especial a eça de queirós, com uma colaboração invejável, caso de mário sacramento, castelo branco chaves, victor de sá, entre outros. finalmente, o "diário popular" dedica uma página a famalicão com o título "uma das vilas mais progressivas do minho".





Álvaro de Castelões - "Amorosa Canção"

Alexandrino Costa - "Salazar «de frente»


Alexandrino Costa - "Cardeal Cerejeira"


Júlio Brandão - "Um Escultor Primacial: Pinto do Couto"


José Casimiro da Silva - "A União das Províncias através da sua Imprensa"


Vasco César de Carvalho - "Aspectos de Vila Nova. O Hospital de S. João de Deus".




video

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

famalicão 1943




o ano de 1943 tem o seu epicentro em 19 de junho, dia em que é inaugurado o hotel garantia. para além do amplo destaque que quer o "estrela do minho", quer o "notícias de famalicão" então deram ao acontecimento, "o comércio do porto" dá destaque ao mesmo feito da comunidade famalicense com o título "obra de luxo e modernismo e de arrojada iniciativa". duas personalidades então se destacam no feito: amadeu mesquita e joaquim josé de carvalho. o mesmo jornal, em setembro, dedica duas páginas a vila nova de famalicão com o título "vila nova de famalicão. Risonho e Progressivo Centro Minhoto. O seu valor comercial, industrial, turístico e desportivo". por seu turno, a revista de lisboa "viagem" dá também destaque não só a famalicão, como igualmente a riba d`ave. o mesmo acontece no "anuário comercial do minho, sendo então o seu director j. fernando gaspar, que publica um artigo sem indicação de autor sobre a vila, hoje cidade, famalicense. mas o ano de 1943 ainda reserva a surpresa para os famalicenses relativamente à ponte da lagoncinha, a qual é considerada monumento nacional pelo decreto n.º 32973 de 18 de agosto. o então presidente da junta da freguesia de calendário, vasco de carvalho publica as "taxas e o regulamento do cemitério paroquial" da mesma freguesia de famalicão. tem uma outra curiosidade este ano de 1943: agostinho da silva continua a publicar os seus livros na tipografia minerva, caso de "moisés e outras páginas bíblicas", "a vida e a arte de goya", " a vida e a arte de rembrandt", "doutrina cristã" e traduz de francis bacon os "ensaios", como realiza uma antologia de joaquim costa com o título "ideário espanhol". esta actividade editorial de agostinho da silva por terras famalicenses ainda vai durar até 1945. no mês de julho a comunidade famalicense presta homenagem a monsenhor torres carneiro.



  • Fernando Carneiro - "Amar é Tempo Perdido"


  • D. Manuel Gonçalvesa Cerejeira - "Vinte Anos de Coimbra"


  • Júlio Brandão - "Recordações Dum Velho Poeta"


  • ABel Folhadela de Macedo - "Trabalhos Manuais"


  • António da Silva Rego - "Les Missions Portugaises"



video

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

famalicão 1942





o ano de 1942 tem a continuidade das obras de agostinho da silva, as quais são impressas na tipografia minerva. obras como "a primeira volta ao mundo", "o cristianismo", a "vida de franklim", a "vida de miguel ângelo", a "vida de zola", "goethe", "a reforma: iniciação", "o cristianismo: iniciação", "o islamismo: iniciação", "beehoven", "vida e arte de cellini", "o transformismo", "a vida de roberto owen", "alexandre herculano", "teoria do amor" (antologia e tradução) e os pensamentos de marco aurélio, foram impressos na famosa tipografia famalicense. por seu turno, o neo-realismo continua a ser tratado nas páginas do jornal "estrela do minho": é o caso do artigo de célio augusto intitulado "poesia neo-realista". neste âmbito, o livro "poesias do minho", de joão rubem, isto é, pseudónimo de joão dinis cupertino de miranda, é um dos sinais do seu autor na incursão neo-realista. o livro de maria clementina de sousa, e que contém estudossobre o folcore de riba d`ave, da música em landim, assim como umpasseio à mesma freguesia do concelho de vila nova de famalicão, tem a sua génese em várias conferênciasque a autora, pianista, então proferiu no porto. apresentono filme imagemda capa da edição realizada em 1998 do livro de antónio da silva rego e que se chama "dialecto português de malaca". para além deste título, contém "a comunidade luso-malaia de malaca e singapura" e a "cultura portuguesa na malaia e singapura". no final do filme, apresenta-se uma fotografia do então hotel vilanovense, demolido neste ano.



Vasco de Carvalho - "Causa Invulgar"



Vasco de Carvalho - Pedras Falsas"



Alexandrino Costa - "Como eu os vi: figuras do passado e do presente"



António da Silva Rego - "O Dialecto Português de Malaca"



João Dinis Cupertino de Miranda /Pseudónimo João Rubem - "Poemas do Minho"



Francisco Torrinha - "Novo Dicionário da Língua Portuguesa"



Francisco Torrinha - "Elementos de Gramática Portuguesa"



Abel Folhadela de Macedo - "Elementos de Álgebra"



Maria Clementina Pires de Lima Tavares de Sousa - "Folclore Musical"



O jornal famalicense "Estrela do Minho" publica o suplemento literário "Para as Raparigas"



O "Anuário Comercial do Minho", publicado no Porto, publica um artigo, sem indicação de autor, sobre Vila Nova de Famalicão



Em 1 de Junho dá-se iníco à demolição do Hotel Vilanovense



Artur Cupertino de Miranda transforma a sua Casa Bancária no Banco Português do Atlântico



É fundado o Grémio do Comércio de Vila Nova de Famalicão



É projectada a construção do Hotel Garantia



Espectáculo de beneficiência para a Comissão Instaladora da Sopa dos Pobres, no Salão Olímpia, com a peça "Surpresas e Alegrias", de Alexandrino Costa



Realiza-se no Salão Olímpia uma conferência sobre agricultura, promovida pelo Grémio da Lavoura de Famalicão, tendo sido convidado para realizar a palestra Augusto Ruella.





video

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

famalicão 1941 II






  • Fernando Carneiro - "Sombras Poéticas", com prefácio de Egito Gonçalves


  • Jerónimo de Castro - "Jesus Passou um dia por aqui"


  • Alexandrino Costa - "Como eu os vi: esboços das figuras nacionais de Salazar, ilustre Presidente do Governo de Portugal, e do Eminente Cardeal Cerejeira, Cardeal Patriarca de Lisboa"


  • Rebelo Mesquita - "Memórias do Detective X"


  • Guimarães promove o 1.º Centenário de Nascimento a Alberto Sampaio.


  • Alberto Sampaio - "Correspondência Inédita para Joaquim de Araújo, Martins Sarmento, Oliveira Martins, Abade de Tagilde e Luís de Magalhães


  • Alberto Sampaio - "Correspondência Inédita para Rocha Peixoto"


  • Comemorações Centenárias da elevação a Vila pela Rainha D. Maria II em 3 de Agosto.


  • É apresentado no Salão Olímpia o documentário cinematográfico sobre V. N. de Famalicão, de Manuel de Oliveira, com fotografia de António Mendes, música de Jaime Silva Filho e com comentários de Vasco Santana.


  • É publicado o primeiro relatório da Conferência S. Vicente de Paulo, sob a direcção de Vasco de Carvalho. Estes relatórios vão ser publicados até 1948.




video

famalicão 1941 I



A revista de Lisboa "Renascença", de 15 de Janeiro, publica o artigo "Um Passeio a Landim: história do auto popular de S. João Baptista", por Maria Clementina Pires de Lima Tavares de Sousa








O número bimestral de Janeiro e Fevereiro da revista "Turismo" é dedicado ao Minho. Contém "O Minho Visto por Ilustres Figuras Intelectuais", nomeadamente com textos de Bernardino Machado, Antero de Figueiredo, entre outros. De Nuno Simões contém o texto "O Movimento DEmográfico de Entre-Douro-e-Minho" e o artigo sem indicação autoral "Famalicão: uma das vilas mais alegres e progressivas do Minho".








  • Grémio da Lavoura - "Relatório, Balanço e Contas da Gerência".


  • O Clube de Caçadores realiza o "Torneio de Tiro aos Pombos para Disputa da Taça Indústria".


  • Polémica suave no jornal famalicense "Estrela do Minho" sobre o Neo-Realismo.


  • Em Outubro, é inaugurado o Colégio Camilo Castelo Branco. Foi seu director e proprietário Abel Folhadela de Macedo.


  • V. N. de Famalicão passa à categoria de 1.ª Classe, como Concelho.


  • Passagem por Famalicão de Washington Luís, antigo Presidente da República do Brasil.


  • Agostinho da Silva visita a Tipografia Minerva para observar o andamento das suas obras, conforme se noticia na imprensa na época, noemadamente no "Estrela do Minho". Livros como "Mozart", "O Gás", "A Escultura Grega", "Vida de Robert Owen", "Vida e Arte de Ticiano", "Estoicismo", a tradução dos "Diálogos Filosóficos" de Voltaire, entre tantos outros, seriam impressos na respectiva tipografia famalicense.